Desperdício de materiais na obra
Crane grab scrap

Desperdício de materiais na obra

Desperdício de materiais na obra: sinônimo de gastos desnecessários e prejuízo ao meio ambiente.

Em uma construção acabamos por pensar que o desperdício de materiais se dá somente pelos entulhos gerados durante a obra. Mas os desperdícios são todo o material que é adquirido e não é utilizado durante a obra, ou então utilizado de maneira incorreta. E quanto maior o desperdício, maior o prejuízo para o meio ambiente.

Para evitarmos o desperdício podemos adotar procedimentos antes, durante e após a utilização dos materiais. E com isto, além de contribuirmos para o meio ambiente, também contribuímos para os nossos bolsos, pois cada material desperdiçado tem o seu custo.

Antes

O primeiro e fundamental procedimento a ser adotado, antes mesmo de iniciar a obra, é algo que já deveria estar inserido no pensamento de todos que querem construir: a confecção dos projetos executivos da obra! Estes projetos irão ditar o quantitativo de material da obra, e quanto maior o respeito aos projetos, mais o desperdício se aproximará do mínimo.

Um fator fundamental para o uso correto dos materiais é a mão de obra que irá executar a obra. Caso a mão de obra não seja qualificada, a perda de dinheiro será certamente multiplicada, pois primeiro terão os gastos normais da mão de obra e dos materiais utilizados, e na sequência, ao começarem os problemas oriundos de uma mão de obra ineficaz, iniciarão os gastos extras com a obra.

Mas por que será multiplicada a perda de dinheiro?

Inicialmente terá que pagar para desmanchar o trabalho feito de maneira incorreta e pelo descarte do material desperdiçado. E posteriormente terá que pagar novamente pelo trabalho que será refeito e pelo material que será utilizado novamente. E o pior disso tudo é que se a obra for a sua moradia, e você já estiver habitando, terá que conviver com uma reforma dentro da sua casa, isso sem levar em consideração a possibilidade de ter que residir um tempo fora de casa durante a obra. Portanto é melhor procurar mão de obra pela sua qualificação, e nunca somente pelo valor cobrado.

Ainda mesmo antes de iniciar a obra, devemos tomar mais alguns cuidados para evitar o desperdício, mas agora na parte de compra do material, a qual pode também ser considerada durante a execução da obra. Para a aquisição do material é fundamental verificar a qualidade e a validade, além de seguir criteriosamente as instruções do fabricante.

Percebemos que a palavra PLANEJAMENTO nunca é tão solicitada quanto no início de uma obra, seja pelos gastos materiais, ou seja pelo incômodo físico que poderá se tornar. Portanto o planejamento é necessário em todas as fases da obra, do projeto à execução, da compra do material ao uso do imóvel no pós obra.

Durante

Enquanto a obra está seguindo seu rumo, a organização é extremamente fundamental para evitar o desperdício. A partir do momento que a organização dita o ritmo da sua obra, você não passa somente a evitar o desperdício, mas também passa a ter uma obra com menos prejuízos, menos erros e menos tempo perdido.

Uma dica para manter a organização constante e a obra em perfeitas condições é realizar o monitoramento constante. Mas para este monitoramento procure sempre um profissional capacitado para isto, pois de nada adiantará ter alguém que monitore de maneira incorreta, pois caso contrário, será somente mais uma mão de obra ociosa.

Entrando na parte de desperdício de material durante a execução, alguns itens básicos devem ser respeitados, como o cuidado com o seu manuseio, principalmente se forem materiais frágeis, como louças, cerâmicas e vidros. O manuseio incorreto das peças de porcelanato, por exemplo, pode gerar desperdícios grandes caso sejam quebradas durante o transporte incorreto ou o durante corte descuidado para a sua aplicação.

Armazenamento e água: dicas importantes para o “durante”!

O armazenamento correto dos materiais também é outro item de extrema importância, e cuidados mínimos são suficientes para não ter desperdícios. Pallets antigos em bom estado ou tábuas usadas apoiadas em tijolos podem simplesmente armazenar sacos de cimento, cal, argamassa e gesso isoladas do chão; materiais devidamente cobertos por um telheiro simples; cerâmicas enfileiradas; tijolos empilhados conforme as quantidades máximas; e agregados abrigados em baias são exemplos fáceis de serem seguidos e que minimizarão o desperdício de material.

Um material que não damos conta do seu desperdício é a água. Item essencial para qualquer tipo de obra, ela pode ser facilmente desperdiçada em qualquer etapa, seja em uma torneira esquecida pingando, seja em uma mangueira furada usada para levar água para a betoneira, ou seja em algum vazamento despercebido da tubulação hidráulica.

Portanto os cuidados corretos com a mão de obra e os materiais são extremamente importantes para minimizar os desperdícios na obra. Itens como madeiras de caixaria, tijolos e revestimentos quebrados, rebocos respingados, concreto que sobrou e tocos de aço estão entre os materiais que mais se desperdiçam, e por serem caros e usados em grande quantidade contribuem significativamente para o desperdício.

Depois

Não existe obra sem resíduos, mas sim a minimização dos resíduos. E se tem resíduos, tem desperdício. E para isso deve-se tomar os devidos cuidados para a destinação correta destes resíduos. Ainda na obra devem ser criados locais específicos para o descarte separado de cada material, destinando espaços para descarte de plásticos, madeiras, ferros, vidros, cerâmicas, papéis, orgânicos, etc.

Vale lembrar que materiais específicos, como madeira e gesso, devem ser colocados em caçambas separadas. Caso contrário eles não terão seu fim correto.

Para tentar conscientizar ainda mais, lembro que o material desperdiçado agride o meio ambiente duas vezes: primeiro em sua produção, e segundo na própria sobra. Você sabia que a indústria cimenteira é uma das mais poluidoras do mundo?

Para finalizar, a famosa frase: EVITE DESPERDÍCIOS!

E esta frase não precisa ser relembrada somente quando o assunto é obra, mas sim em nosso cotidiano. Afinal um mundo sustentável fará bem à todos!!

Um documento que guiará possíveis dúvidas sobre os resíduos de obras é a Resolução CONAMA nº 307, de 05 de julho de 2002. Ela estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil.

 

Precisa construir ou reformar, e quer profissionais capazes e que minimizem ao máximo o desperdício?

Conte a Arabika Engenharia para lhe ajudar! Somos uma empresa de engenharia apta a lhe auxiliar no que precisar.

Abraço, equipe Arabika.

www.arabika.com.br

Continuar lendo

Tubulação PEX: agilidade e limpeza na obra!

Você já ouviu falar em tubulação PEX?

A tubulação PEX é uma tubulação flexível fabricada em polietileno reticulado, material característico por possuir alta resistência à temperatura, pressões, reações químicas e deformações, além de ter um desempenho hidráulico muito eficiente. Esta tubulação é utilizada como condutores de água quente e fria (inclusive no mesmo tubo), ar condicionado e gás natural ou GLP.

A utilização deste material é extremamente fácil, e são indicados para todos os tipos de obra, como alvenaria convencional ou estrutural, drywall, woodframe, EPS expandido, etc. No entanto o projeto deve ser corretamente adequado ao seu uso, para evitar problemas futuros.

Instalação

A instalação da tubulação PEX é muito simples e não precisa de muitas ferramentas. A tubulação pode ser cortada do tamanho exato conforme a necessidade, e para seu corte é utilizada uma tesoura corta-tubos. Isso facilita o processo porque evita o uso de curvas e conexões na instalação, gerando economia de material e menor tempo de execução.

Para as conexões podem ser utilizados um alargador ou prensa, conforme a necessidade, e também uma ferramenta para deslizar o anel metálico sobre o tubo, gerando automaticamente estanqueidade mecânica entre o cano e a conexão. Há a possibilidade de utilizar kits prontos conforme a necessidade, o que facilita ainda mais o processo.

Uma opção que é muito útil, é a utilização de tubos camisa para a instalação, os quais podem ser as próprias mangueiras de instalação elétrica. Estes tubos são colocados respeitando o projeto hidráulico, e posteriormente passa-se por dentro deles a tubulação PEX.

Em determinados pontos do imóvel instalam-se caixas de distribuição com os divisores, os quais geram os ramais diretos para cada ponto de água, gás ou ar condicionado. Desta maneira é possível realizar a troca da tubulação toda sem precisar quebrar a parede, bastando apenas puxar a tubulação com defeito e colocar a tubulação nova.

Vantagens

Existem muitas vantagens com a utilização deste material, mas as principais são a facilidade de instalação e de manutenção. Esses tubos são vendidos em rolos de 100 ou 50 metros (o que facilita muito o transporte, o armazenamento e o manuseio quando comparado com barras de encanamento) e podem ser cortados no tamanho que for necessário, diminuindo o uso de conectores e evitando a perda de material.

Um fator importante é que, por serem flexíveis, eles não necessitam de curvas, joelhos, cotovelos ou qualquer outra peça para fazer as curvas da instalação. A própria tubulação PEX se molda conforme a necessidade.

A junção deles é feita por conectores sem a necessidade de uso de cola, o que permite desmontar o sistema e reutilizá-lo em outro local, inclusive os conectores. Vale lembrar também que por terem curvas mais abertas, diminuem consideravelmente a perda de carga durante o uso.

Um detalhe desta tubulação é que ela pode ser conectada em tubulações convencionais de PVC, não necessitando da substituição completa da tubulação antiga do imóvel. Elas também são muito resistentes e não sofrem corrosões com o tempo, o que garante uma vida útil de pelo menos 50 anos, pois não são afetadas nem por aditivos do cimento.

Restrições ao uso

Apesar de serem poucas e totalmente previsíveis, existem restrições ao uso da tubulação PEX.

Por se tratarem de tubulações flexíveis, eles não podem ser feitos em grandes diâmetros, pois desta forma eles perderiam flexibilidade e não seria possível realizar as curvas necessárias. Em casos de obras de edifícios, que necessitam de entrada maior de volume de água, as tubulações PEX são utilizadas somente no interior do apartamento. Ou seja, a chegada da água até o relógio do apartamento deve ser conduzida por tubulação convencional com o referido diâmetro calculado no projeto.

A fixação deve ser muito bem feita para que fique bem presa no interior das paredes. Isso deve-se a possibilidade de movimentação da tubulação somente com a sua utilização, por se tratar de tubos muito flexíveis.

E por último devemos lembrar que estas tubulações são feitas para uso interno, sem o contato direto com a luz solar. Caso isto seja necessário deve-se utilizar a tubulação PEX que contém bloqueadores ultravioleta.

Custo benefício

Agora vem a dúvida de sempre: este sistema á muito funcional e fácil, mas justamente devido à isso ele deve ser muito mais caro!

Se formos falar somente dos valores gastos com o material PEX, realmente ele sai mais caro. Porém se colocarmos no papel todos os gastos com tubulação convencional, o PEX sai vencedor.

Isso se deve a soma de todos os valores gastos, como mão-de-obra, tempo de execução, logística, armazenamento e manutenção. E além disso tudo, a economia e a praticidade em possíveis problemas futuros, pois caso seja necessário reparar algum encanamento não é necessário quebrar paredes para isso.

Ainda existem dúvidas sobre tubulação PEX?

Entre em contato com a Arabika. Somos uma empresa de engenharia apta a lhe orientar e retirar todas as suas dúvidas.

Abraço, equipe Arabika.

www.arabika.com.br

Continuar lendo